Bill Hinchberger:“the paiaiá program is the best in brazil podcast”.

A Pandemia no Novo Coronavírus alterou a rotina de muitas coisas, de muita gente.

O programa Paiaiá na Conectados, que vai ao ar todos os sábados, às 12h, na Rádio Conectados, também teve sua rotina alterada. Dia 14 de março, quando entrevistei o maestro Júlio Medaglia, foi a última entrevista nos estúdios da rádio.

Duas semanas depois, em conversa com o escritor Darlan Zurc(um grande amigo e parceiro de todos os momentos) falei que iria realizar as entrevistas através das lives no Instagram. Ele falou: “eu me comprometo a fazer as artes e a edição dos vídeos para o Youtube”. Foi assim que começou o Paiaiá em Quarentena.

Em ritmo frenético, fui em busca de entrevistados, elaborei pautas, roteiros e realizei 214 entrevistas pelo Instagram (confira todas as entrevistas no canal do Youtube ‘Paiaiá na Conectados’).

Mas ninguém faz nada só. Além do importante apoio de Darlan Zurc, na produção e indicação, tenho muito a gradecer a pessoas maravilhosas como os jornalistas Júlio Ottoboni, de São José dos Campos, SP. Peça fundamental nesse projeto. Os também jornalistas (americanos) Charles Perrone e Bill Hinchinberg, que direto de Paris, fez excelentes indicações. Bill, em conversas por telefone, me orientava, me dava dicas e certa vez disse: “the paiaiá program is the best in brazil podcast”. Que honra ouvir isso de um profissional com trabalhos jornalísticos em mais de 40 países.

Passaram pelo do perfil @cspaiaia profissionais das mais diversas áreas. A saber: cantores (as), compositores(as), cordelistas, poetas, roqueiros, forrozeiros, intérpretes, covers, repentistas, cordelistas, instrumentistas, escritores(as), atores, atrizes, ventríloquos, ator bonequeiros, artistas plásticos, políticos, atletas e ex-atletas(futebol, basquete, baseball), médicos, psicólogos, dentista, psiquiatra, infectologista, cientista, hipnólogo, jornalistas, radialistas, apresentadores de tv, narradores, locutores, ambientalistas, diretor de tv, coach, advogados, humoristas, filósofos, professores, engenheiro agrônomo, secretário de Saúde, secretária de Educação, candidatos a cargos políticos, empresários, sociólogos, imitadores.

Entrevistei grandes personalidades internacionais, como: americanos, russo, moçambicano, angolano e cabo-verdiano.

O programa Paiaiá foi do Oiapoque ao Chuí e mais além. Nos conectamos com pessoas das mais diversas cidades.

A saber: São Paulo(capital), Guarulhos-SP, Recife-PE, Piracicaba-SP, povoado Paiaiá, Nova Soure-BA, povoado Paiaiá) Jaraguá-GO, Lauro de Freitas-BA, Brasília- DF, Cipó-BA, Utinga-BA, Maceió-AL, Americana-SP, Rio de Janeiro(capital), Sete Lagoas-MG, Atalaia-AL, Teresina-PI, Fortaleza-CE, São Luis do Maranhão, Santo André-SP, Barreiras-BA, Camaçari-BA, Aracajú-SE, Olindina-BA, Monte Santo-BA, Salvador-BA, Conceição do Coité-BA, São José dos Campos-SP, Feira de Santana-BA, Manaus-AM, Quixeré-CE, Florianópolis-SC, Campina Grande-PB, Cruz das Almas-BA, Olinda-PE, Embu-Guaçú-SP, Alagoinhas-BA, Petrolina-PE, Belo Horizonte-MG, Itamira-BA, Rio Claro-SP, Indaial-SC, Chuí-R.S., Cabo Frio-RJ, Niterói-RJ, Vitória da Conquista-BA, Maringá-PR, São José dos Campos-SP, Barueri-SP, Guararema-SP, Mogi das Cruzes-SP, Diadema-SP, Santo André-SP; Ilhéus-BA, Nova Floresta-PB, Porto Alegre-RS, Suzano-SP, Guarujá-SP, Itapecirica da Serra-SP, João Pessoa-PB, Marília-SP, Serra do Mar-RJ, Jacareí-SP, Brasília-DF, Cuiabá-MT, Indaiatuba-SP, Pelotas-RS. Cidades brasileiras.

Como disse, personalidades internacionais, de diversas cidades internacionais, também passaram pelo nosso programa. Cidades americanas: Santa Cruz (Califórnia), Boca Ratón (Flórida), Nova York, Dakota e Manhatan. Praia (Cabo Verde), Paris (França), Maputo (Moçambique), Lubango (Angola).

A arte de entrevistar é sim uma arte de aprender. E o aprendizado ao realizar uma entrevista é imensurável. Entrevistar é estudar, é ser estudado, é respeitar o entrevistado e, acima de tudo, quem te assiste.

Confesso que não consigo medir o gigantesco aprendizado que tive nesse período de Pandemia. Pandemia produtiva?

Muito obrigado a todos que aceitaram participar desse projeto. Muito obrigado a todos que tirou um tempinho para acompanhar.

Obrigado Darlan Zurc, pela parceria, produção e amizade.

O fim de ano se aproxima e faremos uma curta parada. Não me sinto cansado. Não canso quando faço o que amo. Apenas irei renovar minhas energias.

Voltaremos com tudo em 2021.

Irei (preciso) fazer uma viagem até o Paiaiá. Será a viagem mais difícil que farei até ao Paiaiá. Não pela distância do caminho. Mas pelo vazio da chegada…

Tudo estará diferente e eu preciso de forças. Preciso ser forte.

Um feliz 2021 para todos!