• paiaia@radioconectados.com.br

O FUTURO DO RÁDIO É A INTERNET

O FUTURO DO RÁDIO É A INTERNET

Entrevista concedida ao jornalista e pesquisador de cultura, Assis Ângelo

Pergunta: Sílvio, eu sei que você é sãopaulino. O Corinthians ficou campeonato durante mais de 20 anos. Quebrou o jejum em 1977, você assistiu a final do Coringão contra Ponte Petra?

Resposta: Eu não sou desse tempo. Estava nascendo. Aliás, nasci no dia 27 de junho de 1977 lá em São José do Paiaiá, Nova Soure, BA.

Pe: Quando você trocou o Paiaiá por São Paulo e o que achou de melhor na capital dos paulistas?

Re: Cheguei no dia 10 de janeiro de 1999. Acolhedora, a cidade me possibilitou aprender um monte de coisas. Aqui casei, tive filho, Murilo. Aliás, nem sei como a Gleice me aguenta.

 

Pe: Foi no mês de janeiro que nasceu no Rio Grande do Sul o cara que inventaria o rádio, você sabia disso?

Re: Roberto Landell de Moura. Cientista formado em Roma. Ele também era padre.

Pe: Além de inventar o rádio, Landell inventou o telefone sem fio. O rádio tem sido muito importante como meio de transmissão de música e notícia. Por que você escolheu o rádio, Sílvio?

Re: Não foi por acaso. Ouço rádio desde criança, porque onde eu morava não havia energia elétrica e muito menos televisão. O rádio era o principal companheiro, à pilha. E hoje, mesmo com tanta novidade tecnológica, o rádio continua sendo a minha grande companhia. De milhares, milhões de pessoas mundo à fora.

Pe: O mês de junho é o mês que tem muito a ver com Imprensa. O dia 1°, por exemplo, é dedicado à Imprensa. Muitos jornalistas nasceram nesse dia, como Carlos Castelo Branco (http://assisangelo.blogspot.com/2020/06/castelinho-100-anos.html). Ele nasceu no dia 25, há 100 anos. O mês termina com a morte de Landell: 30 de junho de 1928. Ele deve ter sofrido muito, pois no dia 7 de setembro de 1922 o Presidente Epitácio Pessoa (1865-1942), convidou o Italiano Marconi (1874-1937) para inaugurar o rádio, no Brasil. O rádio tem futuro, Sílvio?

Re: Sim, mas os desafios são muitos. Com a chegada da Internet o rádio migrou e tem que se adaptar as novas plataformas. Como a televisão, também. Vivemos um outro mundo. E nesse novo mundo que o rádio tem que viver. O futuro do rádio é a internet.

Pe. E as rádio comunitárias, como ficam?

Re. Não ficam. A tendência é sumirem.

Pe. Você entrou no rádio e dele pretende sair?

Re. Entrei nesse mundo no dia 17 de maio de 2016, pela Rádio web Conectados (www.radioconectados.com.br). Se depender mim, não sairei. Gosto muito do que faço.

Pe. E as lives? Essa onda virou mania, é uma coisa doida, você concorda?

Re. Tenho usado a internet e recentemente inaugurei um programa chamado Em Quarentena. Nesse programa, sempre ao vivo óbvio, já entrevistei figuraças como os ex-jogadores Aloísio Chulapa, Bobô, o filósofo das ruas, Eduardo Marinho, o músico Jorge Ribbas, o ator Felipe Folgosi.

Pe: Quem você gostaria de entrevistar?

Re: No programa Paiaiá na Conectados eu já entrevistei Joé Hamilton Ribeiro, o maestro Júlio Medaglia, o acadêmico Ignácio de Loyola Brandão e gostaria de entrevistar Geraldo Vandré. No Em Quarentena, eu gostaria de fazer uma live com Milton Nascimento.

Pe: Você deve ser um craque da internet, por apresentar visuais tão legais. Quem são os gênios que trabalha com você?

Re: Darlan Zurc é um deles. Outro é Rafael Shimdt(coordenador da Rádio Conectados) São incríveis, como pessoas e profissionais.

Pe: E Paiaiá, o município que você nasceu, as pessoas te acompanham, você volta sempre ou perdeu as raízes?

Re: Que perder raízes, que nada! Só nega suas raízes quem é besta. E como não sou besta, e estou sempre por lá, revendo os amigos, conterrâneos que lá deixei. Pelo menos uma vez por ano vou ao Paiaiá. O pessoa me companha e eu acompanho o Paiaiá.

Pe: E hoje vai ter bolo e Parabéns?

Re: Vai ter o mínimo. A pandemia não permite juntar amigos em festa. Pena, né?

Carlos Silvio

Deixe sua mensagem

WhatsApp WhatsApp